Centro de Ciência Viva de Bragança

 

Centro Ciência Viva de Bragança

 

O Centro Ciência Viva de Bragança (CCVB) é uma associação científica e técnica sem fins lucrativos que integra a Rede Nacional de Centros Ciência Viva, atualmente com 20 Centros disseminados por todo o país. O CCVB agrega dois espaços interativos com uma oferta expositiva permanente, (i) o edifício eco eficiente - Edifício Sede – construído com soluções inovadoras no que respeita à sua climatização (sustentabilidade energética), que é um espaço que encerra temáticas expositivas pluridisciplinares relacionadas com as energias renováveis; e (ii) a Casa da Seda, sediada num antigo moinho recuperado, que alberga uma exposição relacionada com património histórico, cultural e ecológico do bicho-da-seda na região.

Inscreve assim como missão central a construção de uma cidadania ativa assente na promoção do conhecimento científico e na divulgação e disseminação da ciência e da tecnologia. Enquanto canal de acesso privilegiado ao mundo da ciência, na missão do CCVB prioriza-se o envolvimento cidadão e o estímulo favorável na democratização do conhecimento e comportamento face a questões de extrema pertinência, como é o caso da sustentabilidade energética e do meio ambiente.

 

Na demanda contínua de novas estratégias que construam uma sociedade ativa na busca de soluções de utilidade social, o plano de ação do CCVB pretende estabelecer bases para a criação de um exemplo participativo que promove a utilização de recursos científicos, tecnológicos e pedagógicos, através da organização anual de um conjunto diversificado de eventos e atividades científicas, de que são exemplos: Cafés de Ciência; Oficinas Científicas; Workshops; dias temáticos e abertos; acolhimento, formação e orientação de estagiários. As publicações técnico-científicas do CCVB incluem artigos de divulgação de ciência em jornais e rádios locais e a apresentação de comunicações em congressos técnico-científicos nacionais e internacionais. No que respeita aos projetos nacionais e internacionais previamente financiados salientam-se: Ciencioteca: transformar o futuro (UE ERASMUS+  Refª 2016-1- PT01-KA104- 022476); Divulgar Ciência: aprendendo e transmitindo (UE  ERASMUS+ Refª 2015-1-PT01-KA104-012593); Ciência Viva no Verão em Rede (Ciência Viva Refª 2015-17/326); As florestas e a química como motes para atividades de divulgação científica (NorteON.2 Refª 01-0125FEDER000034) e Ciência@Bragança (COMPETE Refª 16911).

 

APRESENTAÇÃO   

 

Resumo da comunicação

"O cientista vai à escola"

 

O Centro Ciência Viva de Bragança (CCVB) é um espaço interativo que assenta como missão central a promoção de uma cidadania ativa apoiada no conhecimento científico e tecnológico. Desde o início da atividade do CCVB que denotamos que os alunos do 3º ciclo do ensino básico (CEB) e do ensino secundário, representam os níveis de ensino mais difíceis de envolver nas diferentes atividades científicas que promovemos. Assim, e de forma a aproximar este público-alvo da ciência, da tecnologia e dos investigadores científicos do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), desenvolvemos no início do ano letivo 2014/2015 a atividade “O cientista vai à escola” junto dos grupos disciplinares de Física e Química e de Biologia e Geologia, nas unidades temáticas de “reprodução”, “transmissão de vida, bases fisiológicas da reprodução” e “da atmosfera aos oceanos”.

Sendo para nós importante a promoção de conhecimento, pensamento crítico, despertar consciências, interesse e envolvimento de professores e alunos, de forma integrada com o currículo escolar e nos diversos níveis de ensino, este projeto assenta nos seguintes objetivos principais: (i) levar às escolas o conhecimento produzido pelo nosso parceiro do Ensino Superior - Instituto Politécnico de Bragança (IPB) integrado com o currículo escolar dos alunos, (ii) estimular o entusiasmo de fazer ciência de forma a estimular a aprendizagem dos alunos, (iii) proporcionar o contato dos alunos com investigadores, (iv) explorar, nas suas diferentes vertentes, temas científicos integrantes com o currículo escolar dos alunos e (v) incrementar a literacia científica dos alunos. Para o efeito a estratégia conduzida, baseou-se no sinergismo entre os conceitos científicos per ser aliados a uma facilitação na comunicação dos mesmos.

Na fase piloto, foram realizados quatro trabalhos experimentais que envolveram dois investigadores do IPB, duas turmas de 9º ano e duas turmas do 11º ano, duas professoras do ensino secundário que lecionam nas Escolas Secundárias Abade de Baçal e Emídio Garcia. No presente ano letivo 2015/2016, o projeto continua a decorrer, tendo até à data envolvido três investigadores do IPB, três docentes do ensino secundário da Escola Secundária Abade de Baçal, com duas turmas do 11º ano e uma turma do 12º ano, contabilizando n=152 alunos nas atividades supramencionadas.

Este programa veio assim promover o contacto direto entre o CCVB, escolas secundárias (alunos) e investigadores do IPB, possibilitando aos alunos, através da realização de vários trabalhos experimentais, cimentar os conhecimentos adquiridos na sala de aula, utilizando equipamentos tecnologicamente inovadores. Possibilitou-se também, aos investigadores do IPB, o desenvolvimento e aprimoramento de novas competências em comunicação de ciência, estimulados por um público diferente do habitual. Na direção futura o CCVB pretende ainda incentivar os alunos destas escolas a criar atividades e/ou projetos originais passiveis de serem desenvolvidos em parceira com os cientistas do IPB.

 

 

 

Palavras-chave: 3º CEB e ensino secundário, promoção da cultura científica, facilitação de comunicação